top of page

A poesia nas entrelinhas

Terça-feira, sete e dezoito da manhã. É a quarta vez que checo as horas no celular! Ainda há um longo caminho pela frente, são vários quilômetros percorridos para pagar as contas no fim do mês. O vagão chacoalha e sigo entorpecida pela rotina.


Lanço o meu olhar melancólico pela janela do trem, em busca de alguma distração. O céu está carregado e desaba. Enquanto a chuva se choca contra o vidro, penso como os dias têm sido difíceis, principalmente esses, nublados e chuvosos. Aqui entre nós, não sei o que está mais nebuloso: o tempo ou meus pensamentos.


Me convenço de que é melhor não olhar nem para fora, nem para dentro. Digito a senha do celular, abro o Instagram e, no automático, começo a rolar o feed. Depois de passar por várias postagens tão perfeitas quanto falsas, eis que recebo uma atualização diferente. É a foto de um guarda-chuva quebrado. Decido ler a legenda. O texto, de início, fala sobre a chuva e a desventura, mas há algo a mais ali. Os parágrafos seguintes expõem sentimentos e reflexões, dizem muito sobre dor, saudade, passado, presente e futuro. Falam de expectativas, frustrações, aceitação e acolhimento. A legenda não discorre apenas sobre o cotidiano, mas traça um caminho que vai além daquela cena rotineira. Atinge o intangível.


Termino a leitura com uma sensação única, que tenho certeza de que você, leitor, já sentiu. Começa assim: algo nasce entre o estômago e o coração – ainda não consegui definir a localização exata. Depois, envolve todo o nosso corpo e, em seguida, eleva o que costumamos chamar de alma... Essa sensação tem nome. Manoel de Barros disse que a “poesia não é para compreender, mas para incorporar”. É isso! A legenda, que não tinha a pretensão de ser nada além de uma legenda, no fim, era poesia e me acertou bem no meio do peito. Foi nesse instante que, de fato, meu dia começou. Incorporei.


Eu adoro encontrar a poesia por acaso. Gosto de ser pega de surpresa! Quando eu menos espero, ela aparece e me toma por completo, me coloca em um estado de graça e embriaguez. Acho que é por isso que me encanto com o que chamam de prosa poética – um estilo híbrido, uma mistura de prosa e poesia, mescla entre lirismo e realidade.


A prosa poética surpreende por não ser óbvia. Diferente do poema, ela é estruturada em parágrafos, não em versos e estrofes, com métricas, rima e ritmo. Ela tem a característica de ser mais intimista e envolve o leitor não apenas pela narrativa, pelo o que é dito, mas por como é dito, pelos recursos poéticos. O olhar lírico se destaca! Esse estilo já foi apontado nos livros de escritores consagrados, como Guimarães Rosa, Caio Fernando Abreu e Clarice – maravilhosa – Lispector. Não é à toa que o legado deles é tão rico.


Particularmente, eu adoro a prosa poética, pois me encontro na poesia e vivo pelos seus efeitos. Como escritora, gosto de contar histórias e, ao mesmo tempo, adoro provocar sensações, sentimentos e reflexões profundas, de colocar um pouquinho de sonho em cada linha. E como leitora, gosto de quem desperta isso em mim. Posso citar dois escritores que cumprem esse papel muito bem: Bruno Fontes e Ruth Manus.

Tive contato com a poesia do Bruno bem cedo, através da música. Eu ainda era adolescente e ele era integrante de uma banda chamada Soulstripper. Acompanhei toda a jornada do Bruno como escritor, desde o começo, quando ele apenas compartilhava os textos nas redes sociais, até o lançamento do seu livro mais recente, o romance “O Amor Vem Depois”, em parceria com o poeta Zack Magiezi. A escrita do Bruno é leve e fascinante. Carregada de sensibilidade. Sinto que ele me conduz nessa dança com a poesia e me leva para lugares lindos, aqueles conhecidos e outros nunca antes visitados.


Já a Ruth Manus é uma das minhas melhores amigas, mesmo que ela não saiba disso. Tem pessoas que são poesia, já reparou? Nos inspiram por existir. Essa é a Ruth, que escreve sobre questões sociais, políticas, raciais e de gênero, relacionamentos, amizade, vida, carreira, família... E escreve com tamanha graciosidade, que cada parágrafo me abraça, me faz chorar, me faz rir, me faz ter vontade de amar, de levantar e mudar o mundo.


O fato é que a poesia pode se manifestar de inúmeras maneiras. Uma legenda, uma melodia, um diálogo, uma imagem, um filme, um objeto, uma ação, um texto... São tantas formas que, ainda que eu tentasse citar todas, não conseguiria, pois a verdade é que ela está em tudo!


É compreensível que, com toda a nebulosidade que nos cerca, a gente não consiga enxergar a poesia às sete e uns quebrados da manhã. Mas ela está lá. Nas palavras dos nossos escritores favoritos, no chacoalhar do vagão que busca acalentar as crianças presas em corpos de adultos, no sol que queria dormir até às onze e deu passagem para as nuvens brincarem de mangueira. Até na melancolia de uma terça-feira, pois a tristeza também pode ser bonita. A poesia é sempre bonita! Repare nas entrelinhas!


Conheça os escritores citados no texto:

www.instagram.com/brunofontes

www.brunofontes.me


www.instagram.com/zackmagiezi

www.zackmagiezi.com.br


www.instagram.com/ruthmanus

www.observador.pt/perfil/ruthmanus


Referências

FIGUEIREDO, Rafael. “Prosa Poética: uma breve reflexão sobre o tema”. Disponível em: <http://www.cursosdeescrita.com.br/8455/prosa-poetica-uma-breve-reflexao-sobre-o-tema>, acesso em 09/02/2022.

NEVES, José Eugênio das. “A prosa poética na obra de Clarice Lispector”. Disponível em: <https://www.yumpu.com/pt/document/view/12935386/a-prosa-poetica-na-obra-de-clarice-lispector-cielli>, acesso em 09/02/2022.

SILVA, Bruno Santos Pereira da. “Não queria te esgotar em verso nem em prosa: a composição poética de Caio Fernando Abreu”. Disponível em: <https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/2703/pdf>, acesso em 09/02/2022.

Foto: Joy Stamp

11 comentários

Posts recentes

Ver tudo

11 Comments


Estava por acaso pesquisando sobre a editora Coragem, quando encontrei este belo texto, repleto de luz.

Like

Gabriela Stanziola
Gabriela Stanziola
Feb 22, 2022

Esse texto conseguiu aquecer meu coração nessa manhã de terça-feira. 💖

Like
Paloma Coitim
Paloma Coitim
Feb 23, 2022
Replying to

Seu comentário aqueceu o meu coração também 😊

Like

Stefania Baesso
Stefania Baesso
Feb 22, 2022

Me pego lendo este texto antes de iniciar meu dia e você consegue embalar o sentimento de alegria e melancolia em palavras. Te admiro muito e sua escrita é suave e quentinha. Sucesso! 😙

Like
Paloma Coitim
Paloma Coitim
Feb 23, 2022
Replying to

Ganhei o dia com o "escrita suave e quentinha" 💙 que lindo isso! Obrigada!

Like

arthurportuguez
arthurportuguez
Feb 22, 2022

É engraçado como faz ter um outro olhar sobre as coisas cotidianas. Essas "brincadeiras" que ela faz do tipo: "no chacoalhar do vagão que busca acalentar as crianças presas em corpos de adultos". Isso é maravilhoso demais!

Like
Paloma Coitim
Paloma Coitim
Feb 23, 2022
Replying to

Você não imagina como fico feliz em despertar esse novo olhar 😍 obrigada!

Like

Que texto perfeito! Uma vitamina pra começar bem a minha semana. ❤️

Like
Paloma Coitim
Paloma Coitim
Feb 21, 2022
Replying to

Ah, que delícia ler isso 😍

Like
EditoraCoragem_Logo_4c.png
bottom of page